quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Amemos

Não acho que se deva desperdiçar amores. Na verdade, penso que devemos colecioná-los. Até aqueles mal-amados são amores.
Pegarei os caídos e debilitados. Quero os jogados e abandonados. E quererei os cambaleantes pelas ruas e avenidas. Não desperdicemos amores. Cuidemos dos sofridos e solitários.
Não busco amores perfeitos e completos. Incessante é a minha procura pelos necessitados e/ou maltratados.
Ah! Sempre recolho paixões em sorrisos por aí. Sejam eles para mim ou não. Acho-os belos.
Não desperdicemos amores, enfatizo.
Há tantos em nossos caminhos... Não chutemos, não são pedras.

Amo tanto... tant... tan... ta... tã... tão... intensamente. "Hei de morrer de amar mais do que pude."


10 comentários:

  1. Como diria Rita Lee, se um dia, por acaso, eu morrer do coração, foi por amar demais. *-*

    ResponderExcluir
  2. Rita Apoena também afirma que não se abandonam nem os amigos de infância *-*

    ResponderExcluir
  3. Jorge Ricardo de Barros Makul28 de outubro de 2010 21:58

    Amor...
    é uma palavra tão pequena para um sentimento tão grande, é como comparar uma gota de água, à imensidão do mar...
    Em relação ao meu amor, sempre tive controle sobre ele, conseguindo compartilhá-lo aos outros com facilidade...
    mas há um tempo atrás aconteceu algo que mudou tudo...
    hoje é o amor que me controla com facilidade, porque esse acontecimento fez ele crescer tanto que perdi o controle sobre ele, que tomou a decisão de ir ao encontro de uma pessoa em especial que só de ela estar por perto faz com que eu me sinta tão feliz que parece que vou explodir de tanto amor...

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o comentario acima: RT como diria Rita Lee, se um dia, por acaso, eu morrer do coração, foi por amar demais.
    (:
    adorei o texto.

    da uma passadinha no meu site: www.makeyourmode.com

    ResponderExcluir
  5. É, Mile... Somos eternamente responsáveis pelo que cativamos, não é? Se cativamos amores, então que não os desperdicemos. Por que não há nada mais prazeroso do que amar e ser amado de volta.

    Beijo, a namorada.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, pela visita no Devaneios Urbanos. Vou ficar de olho no seu blog, também. Concordo na "ultimate freedom", walking the earth, no phone, no pets, no cigarettes. Se ao menos fosse fácil.

    ResponderExcluir
  7. O teatro mora em você sabia? E isso é O MÁXIMO! :D

    Tem post novo lá no blog, confere lá! ;)

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  9. Já escutei algun(s) comentario ai antes xDDD

    ResponderExcluir

Não estamos mais em 1968.