quarta-feira, 25 de abril de 2012

O amor é forte como a morte

Ana: O único sofrimento de amor é năo ser correspondido. Eu já sou feliz só por você gostar de mim.

Pedro: Ah, mas é muito fácil gostar de você. Eu năo tenho mérito nenhum nisso.

(...)

Ana: Daqui pra frente a gente só monta histórias de amor: Romeu e Julieta, Cyrano e Roxane, Dom Quixote e Dulcinéia.
Quando uma paixăo terminasse, a gente começava outra.
Um dia você monta uma peça sobre nós dois, com todas essas peças dentro.

Pedro: Vou tentar. Vai se chamar "Romance". E pelo menos lá eu vou poder mentir que matei uns dragőes pra conquistar você.
Teu suspiro infla a vela do meu barco
E eu navego à deriva dos teus beijos.


7 comentários:

  1. Preciso dizer que eu comecei a ver a dramaturgia de uma forma diferente depois que conheci seu blog. Eu já amava, mas agora eu vejo o qual poderosa é essa arte. Seus recortes, suas tentativas de mostrar algo, são lindas e apaixonantes.

    Beijinho!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Milena! Acompanho seu blog há algum tempo, e, por esses dias fui assistir ao espetáculo "Menor que o mundo" baseado na obra de Drummond, e me lembrei de você, pois o 'vento' faz parte da peça, como se fosse um dos atores! Você já foi conferir? Fica até julho no FIESP, e vale a pena.
    Ah! Amo esse filme "Romance"!

    Abraço,
    Marina.

    ResponderExcluir
  3. Esse fernando viana é viado. maluco gay.

    ResponderExcluir
  4. Camilla Fernandes27 de abril de 2012 19:58

    Lembro quando você me indicou esse filme, Milena. Beijos!!

    ResponderExcluir
  5. Fê, muito obrigada pelo elogio! Sério mesmo. Eu adoro seus comentários e sou eternamente grata aos blogs por ter lhe conhecido. :)

    Marina, que legal a lembrança! Tô sabendo dessa peça, mas ainda não tive tempo de vê-la. Mas será a próxima! Rs. Obrigada pelo comentário!

    Cami!!! Hehehe. Eu empurro esse filme a todos que amo. :) Bisous. Saudade de você!

    Anônimo, :(

    ResponderExcluir
  6. Quero muito ver esse filme Mi!!

    ResponderExcluir

Não estamos mais em 1968.