domingo, 12 de dezembro de 2010

Para ela

Ele: Um dia, você me disse que sentia a hipocrisia de ter gostado por tanto tempo, por ter amado sozinha.
Talvez não seja essa a palavra, mas consegui entender o que você quis dizer.
Acho tão estranho o modo como acabou (ou melhor, o não acabar), eu não correspondi aos seus anseios e idealizações, mas amei muito todo esse tempo.
Daria tudo para retornar a alguns momentos.
O legado desse amor silente são meus sonhos diários com você. Hoje, sou eu que te amo sozinho.


(Em um dia aleatório, o não dito.)

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Oie,
    Seu blog me encantou,por isso fico aqui,seguindo-a.
    Um bju.*)
    Jesus Te Ama!!!

    ResponderExcluir
  3. Milena Buarque, para começar, quero te dizer que amo seu sobrenome. Ele também pertence ao homem em que eu admiro muito por ser quem é, Chico Buarque.
    Suas postagens são lindas até mesmo quando copia diálogos ou trechos de alguma história, de algum filme ou de uma fala e as publica aqui. Mas, eu ainda prefiro as suas palavras por mais que esses trechos, diálogos e falas sejam bonitos.
    Desculpe-me por não ter respondido um comentário que você deixou em meu blog. Eu andei sem tempo para escrever durante uns meses, mas agora eu voltei.
    Continue escrevendo, querida. Beijos e um Feliz Natal.

    ResponderExcluir

Não estamos mais em 1968.