quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Por retinas não tão fatigadas

Só porque não é sempre que consigo a proeza de converter tudo o que sinto em palavras - demasidamente limitadas, em suma -, você não precisa fingir que não sabe o motivo de toda essa inquietação minha.
Recorra aos meus olhos, apague o resto. Se não obtiver êxito, separe os meus lábios e observe-os.
Não fora bem sucedido nesta? Pegue nas mãos gélidas que não conseguem repousar nem por uma fração de segundo.

Tratam-se de análises sintomáticas, devido a um deficit vocabular?
Eu simplesmente considero-as a maneira mais primitiva, bela e pura na demonstração de um afeto.
Pequeno ou grande, geralmente não cabe em palavras.
Muito menos nesse amontoado aqui depositado.

Observe. Só observe.


[eu supostamente a você]

6 comentários:

  1. "Tratam-se de análises sintomáticas, devido a um deficit vocabular?"

    adoro essa sua profunda ironia.
    vc ja sabe o que acho dos seus textos. eles sempre dizem tudo o que sinto.

    bjs,
    amo vc!
    cah.

    ResponderExcluir
  2. Às vezes é bem mais fácil dizer "eu te amo" logo. Beijos, flor.

    ResponderExcluir
  3. Meus olhos dizem muitas coisas...
    (:

    ResponderExcluir
  4. Os olhos escondem muitos muros.


    Adorei, beijocas flor

    ResponderExcluir
  5. Jorge Ricardo de Barros Makul8 de outubro de 2010 22:00

    Primeiramente me sinto na obrigação de dizer-te que você não deve se julgar incapaz de algo porque para mim você é muito mais capaz do que você imagina...
    em segundo lugar eu não sou de fingir...
    mas o que eu mais quero te dizer é que eu não preciso de tantos recursos para te entender, muito pelo contrário para mim seus olhos dizem tudo sobre você, tanto que quando os vejo te leio por inteira, são tão claros e transparentes quanto a água da chuva...
    por isso que as vezes quando te olho você pergunta "o que foi?" eu digo "nada" é porque quando olho nos teus olhos já vejo tudo, não preciso dizer nada...
    beijos!!!

    ResponderExcluir
  6. Fiquei impressionada com o texto, você escreve muito bem, parabéns!
    :)

    ResponderExcluir

Não estamos mais em 1968.