segunda-feira, 28 de junho de 2010

Pináculo


Porque eu sempre fui conhecida por julgar muito as pessoas. E sempre soube, também, que para se julgar, só é necessário estar fora do jogo.
Uma pessoa solitária nunca se encontra em jogo algum. Logo, sendo eu essa sozinha, é muito fácil julgar. Pense em como me encontro em uma situação cômoda. Observo tudo daqui de cima, desse cume longínquo, e tiro as minhas próprias conclusões. Eu condeno você, eu lhe aprovo, eu discordo de suas atitudes. Simples. Sinto-me como Deus. Só não tenho o poder da criação. Estando aqui em meu lugar, a vergonha não me encontra. E se me encontra, ela não me limita e não me atinge.
Quando abro as vidraças, a brisa sussurra-me palavras que trazem a ira. A audaciosa diz-me que tudo o que eu faço – ou o que nada faço, no caso –, só me é prejudicial.
- Mas que pilhéria, dona Brisa. Estás a me julgar também.
A tola crê em sua razão e prossegue em sua análise:
- Minha querida, se eu lhe perguntasse sobre a sua vida, o que me diria? Se eu quisesse saber dos livros que andou lendo, das músicas de que mais gosta, o que me responderia? E quais foram seus amores? Já aprendeste com algum erro? Ou crê que nunca tenha errado? Com o receio do desconhecido, não vives e não ousas arriscar. Optaste por parar na vida, entretanto, o tempo não parou por ti. Hás de discordar-me?
Então seguiu seu curso e nunca mais retornou.
E eu continuo aqui com meus medos e meus julgamentos.

(Milena Buarque)
Para 23ª edição visual do Projeto Bloínquês.

10 comentários:

  1. Acho que julgar os outros é meio inevitável, às vezes julgamos sem notar ou sem querer. Mas a partir do momento em que apontamos para alguém temos que estar conscientes de que alguém apontara o dedo pra nós. =/
    Muito bom o texto, boa sorte no bloínquês.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. realmente julgar e tb ter q aceitar ser julgado adorei bjos

    ResponderExcluir
  3. Julgar todo mundo julga ja viro pleonasmo!!

    beijos

    ResponderExcluir
  4. A dona Brisa tem toda a razão. A vida foi feita pra ser vivida, não assistida. Não dá pra não ser o personagem principal do próprio filme. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Milena, vc escreve muito bem viu, adorei, bjs, Va.

    ResponderExcluir
  6. È triste mas sempre estamos a merce de um julgamente, tanto como julgadores quanto julgados, precisamos a aprender a viver com isso mais é complexo demais x)
    Obrigada pela visitaa ! adooorei mesmo o blog, já estou seguindo!
    xoxoxoxoxoxoxox
    :)

    ResponderExcluir
  7. Obrigada pela visita no nosso blog, já estamos seguindo o seu! Começe a seguir o nosso tb :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Todos nós nos julgamos, mesmo no inconciente. É natural do ser tentar melhorar, e isso só vem com o julgamento do tempo.
    Eu sei que se julgar é difícil quando os outros já te julgam -e ás vezes de formas muito desagradáveis ou humilhantes- então paramos de nos preocupar e nos escondemos do mundo.
    Os nossos sentimentos e tudo o que há é movido pelo julgar. O julgar muda as suas atitudes e seu modo de ver a vida; pode corrigir um erro antigo ou fazer você declinar.
    Mas nada como o juízo que nos faz seguir o que é certo, na maioria das vezes.
    Gostei muito do texto e do blog, estou seguindo.

    ResponderExcluir
  9. Pois é, julgar e ser julgado já é parte do cotidiano.
    amei aqui flor, virei mais vezes com certeza.
    bj

    ResponderExcluir

Não estamos mais em 1968.